novembro 24, 2008

Open Portugal após 3 etapas

Chegámos a meio da 2ª época do Open Portugal, altura de se fazer um intervalo até ao início de Fevereiro e, uma boa altura para olhar a época.

Em M5, a Divisão de iniciação à competição, onde todas as épocas se assiste ao crescimento e consagração do nosso desporto, temos os “veteranos” NPU a estragarem a festa a toda a gente, seguindo destacados no topo da tabela com uma vantagem que lhes dá alguma protecção para um daqueles escorreganços a que todos os lideres de 5 man nos habituaram.

No seu encalço directo vêm duas equipas novas no Open que mal chegaram e já firmaram a sua valia, os The Legend e os Cães da Vila New Breed, seguidos por Legion, Sioux e Wild Catz. E nestes Teams, parece-me, encerram-se os candidatos ao podium final da Divisão.

Temos um total de 17 equipas inscritas, dando uma média de 13 equipas por jornada, e nas estradas e saídas de destacar a presença vitoriosa dos poderosíssimos Energy Team na primeira etapa, e saudar o regresso dos Relâmpagos e Zona Oeste às nossas lides.

NPU aparte a Divisão tem sido extremamente competitiva, não tendo ninguém mais que uma presença no podium, o que é sintomático de que a luta vai ser tremenda pelos lugares de subida à Divisão SPL.

A Divisão SPL ferve! Neste momento temos as cinco equipas da frente separadas por apenas 14 pontos!

Nesta 3ª etapa, assistimos ao regresso dos Magma Mater ao seu melhor, com o 1º ou 2º posto assegurado (a final da 3ª etapa, contra os Cães da Vila, teve de ser congelada devido a falta de condições de luz para se prosseguir com a partida), o que a somar aos pontos pela sua Arbitragem na 2ª etapa, os coloca como principais candidatos à subida a CPL, mas com tanto equilíbrio não deve ser permitido mais que um escorreganço, e os M&M já escorregaram.
No mesmo patamar temos de colocar os surpreendentes e estreantes no Open, Cães da Vila.com, que com duas presenças na Final demonstram ser até ao momento a melhor equipa da Divisão.

Ligeirissimamissimazicimamente abaixo, os restantes Tubarões.
Os Triball Storm, com uma adaptação notável ao novo formato, vencem muito e quando não vencem, muito pontuam, o que lhes garante uma posição sólida na corrida para a CPL.
Os Wolverine, com um dos meus ídolos nas suas filas (o Sr Filipe Mendes) e o Sporting B, outra equipa poderosíssima, não alcançaram as finais da 3ª etapa, mas pontuaram e bem, o que lhes permite continuar no topo e apenas de si dependerem para subirem à Divisão rainha do Open Portugal.

Apostas? Nem pensar!

No fundo da tabela classificativa temos a segunda equipa dos algarvios Intruders a pintar pela vida mas a fazer muito poucos pontos nas partidas desta 3ª etapa, e os Demolition Óbidos a surpreenderem pela negativa.

Também na zona de despromoção temos os Sartim que estão a ter dificuldade em acertar com este novo formato de jogo, mas depois de adicionados os pontos da arbitragem da próxima etapa deverão segurar o seu lugar na Divisão SPL.

Pelo meio, temos Checkpaint Influence a subir, e de que maneira, de rendimento.
O Bando de Irmãos 5 a refinar e regressar aos bons resultados que, presumo, lá para a Primavera os incluirão no pelotão da frente.
E os Peoples Army, a quem deixo o maior abraço que me é possível entregar-vos.

E chegamos à principal Divisão do Open Portugal, a CPL. A Divisão de elite!

Neste momento três equipas destacam-se claramente das restantes.
Os Bunker Kids, com o input dos Pintabolas, somam dois primeiros lugares seguidos e parecem-me ser a equipa mais sólida do Open. São uma constelação de estrelas mas delas tenho de salientar aquele que é para mim o melhor avançado de Portugal, o David Rodrigues. E antes que me crucifiquem por ter uma opinião, deixem-me relembra-los que sou um ignorante quanto ao que fora do Open Portugal se passa, logo, podem existir jogadores melhores.

Com três 2º lugares em três etapas temos o Sporting, outra formação recheada de estrelas a realizar um óptimo Open.

E os regressados ao Open, Checkpaint Effect, que são na minha opinião a equipa mais espectacular de se assistir, mas o grau de exigência do Open pede também consistência extrema.

Em princípio, estes serão os três grandes candidatos aos três lugares do pódio do Open Portugal, a ordem desse pódio é que vai ser uma carga de tinta para se resolver.

A seguir, os Intruders deram a volta por cima de uma reestruturação forçada e estão confortavelmente instalados na 4ª posição, com distancia para cima e para baixo.

A Paintland, campeã em título, está a fazer uma época abaixo dos pergaminhos mas é preciso estar lá para se perceber a excelência do que têm feito. Distantes do topo mas com uma boa margem de segurança para baixo e, tal como os Intruders, a ganhar power de prova para prova.

Na luta para evitar a despromoção temos os Xplosiv em vantagem, e o regresso do João Anjos ajudou a equipa a mais uma prestação regular o suficiente para os manter acima da zona vermelha.

Dentro da zona vermelha temos os Xtreme a precisar de mais pontos nas partidas, e os Lobos a melhorarem a olhos vistos mas ainda longe dos tubarões.

Falta metade (para a M5 mais uma jornada), é quase como se faltasse tudo!
Siga o Open...


16 fps

2 comentários:

Perricha Cão disse...

Tenho que vir defender as minhas "cores"... :)
Não concordo com a parte "NPU à parte..." Penso que o eles apenas estão superiores, em relação ao resto das equipas que lutam pelos pódios de M5, na regularidade, com mérito claro. Porque embates nas finais não temos nenhuma derrota com eles. :)

Abraço

Planeta Redondo disse...

Mas a verdade é que estão na frente e se destacam.

Espero, pela competitividade da divisão, que escorreguem na proxima jornada, mas duvido, têm estado muito consistentes.

Na primeira perderam com os Energy, e na segunda e terceira empataram com os Cães :)

Abraço e boa sorte