maio 05, 2010

Inside - RTU

São, praticamente desde sempre, os Tubarões do Mato, a equipa a abater, os RTU.

2004: R-Team (a equipa chegou a sua formação definitiva a meio da época e ficámos em 2º lugar)

2005: R-Team 2º lugar;

2006: R-Team 1º lugar;

2007: R-Team 1º lugar;

2008: R-Team 1º lugar;

2009: Open Camo 2º lugar

Qual o significado de RTU ?
Começamos mal. Não gosto de falar nisso mas posso-te dizer que nos tivemos para chamar Titans. Já tinhamos jerseys desenhadas e tudo mas houve um dia que estava a ler um post no fórum e a equipa-bandeira da APPA tinha chegado primeiro. Depois de uns meses de brainstorming sobrou este... Podemos passar à seguinte?

Quem são os RTU ?
Os RTU são um grupo de rapazes simpáticos e bem parecidos. Os RTU estão estratificados. Existe um núcleo duro constituido por mim, Nuno Tuna, pelo Luís "Dunkas" Tomás, O Sérgio Marques e o Luís "Radikal" Henriques que somos os que nos mexemos e telefonamos e mantemos o site. Depois temos os RTUs efectivos, o Ricardo Figueira, o Pedro Nobre e o Ricardo Cunha, que voltou há uns meses à equipa depois da gravidez, a seguir temos o Gonçalo "Demo" Rebelo e o irmão dele, o Nuno "X" Rebelo que têm sido indispensáveis para a equipa. Não estão em regime de exclusividade mas nós amamo-los como se fossem nossos filhos. Em penúltimo temos os "irregulares", como o Paulo Rodrigues, o António Rosinha e o Ricardo Romão e por último os gajos que fazem parte da equipa e nunca aparecem porque dão sempre desculpas esfarrapadas como o Carlos "Tutty" Afonso e o Paulo Rodrigues. Gostamos de dizer que somos 14 mas, na realidade...

Como surgiram ?
Havia um grupo de 100 gajos chamado "No name" que jogavam no Megacampo, do qual o João"Zigurate" Especial fazia parte. No início de 2003, o Especial teve a ideia peregrina de formar uma equipa para jogar o recém criado R-Team e convidou-me a mim e ao Dunkas para integrarmos o projecto. Demorou 1 ano a convencer o o Tutty e o Dunkas (que não disparava tinta com regularidade há quase 10 anos) e com ele veio o Sérgio. Esta era uma oportunidade única de juntar metade da equipa original de 1992, os Yabadabadu!. Encontrámos um grupo de gajos bem porreiros com quem nos damos muito bem até hoje.

Quais são os vossos objectivos ?
Continuar a fingir que somos desportistas, difundir o paintball de competição em mato (Woodsball) na sua vertente mais básica, pôr juízo na cabeça dos newbies e nas nossas também.

O que vos faz passados tantos anos, continuar a praticar Paintball?
Não conseguimos passar sem isto. É vício e é amor. Os mais velhos jogam isto há 20 anos. Estamos comidos pelo caruncho. É enfartes, taquicárdias, hérnias discais, colites renais... Somos completamente desorganizados e no R-Team começámos a jogar com o equipamento que tínhamos em casa: só mecânicas e ganhámos. Somos o nó nas gargantas de muitas equipas, querem-nos com todas as forças e isso dá-nos pica. Levamos porrada que se farta mas aguentamo-nos e isso faz com que continuemos a vir ensinar e a aprender algumas lições.

Principais diferenças entre o Paintball Recreativo e o Open Camo ?
A competitividade. Há equipas mesmo agressivas e gostamos disso. O Recreativo é giro e de vez em quando aparecemos num Big Game ou noutro mas está cheio de cromos que passeiam as fardas e isso chateia-nos. Não vamos muito à bola com os camuflados. A história é longa... talvez numa outra oportunidade te conte.

Como justificam que, mesmo com o surgimento de tanto “sangue-novo” os “velhos” RTU continuem a ser a equipa escola do Paintball de Competição no Mato ?
Somos uma equipa escola? Essa é nova. Eu acho que quem passa pelos RTU, ou fica ou nunca mais joga! Contam-se pelos dedos os gajos que saíram para ir para outras equipas. Se estiveres a falar no facto de nos esforçarmos por dar o exemplo em campo e fora dele... talvez por aí sim. Gostamos de praticar o fair-play e de ter uma atitude de igual para igual com as outras equipas mesmo que sejam menos experientes.


Aquele espírito dos good old days, de quando nós nos apaixonámos por este desporto, ainda existe nesta malta nova ?
Estás a falar dos intervalos de 40 minutos entre jogos para beber uma "jola" e do conbíbio? No mato acho que sim. No Airball é impossível. O calendário de jogo não permite. Cada vez mais as equipas entram e saem sem sequer se falarem. Em Holmbush, no Mayhem em '96 e Toulouse em '97, as equipas cumprimentavam-se com aperto de mão no início de cada jogo, como no futebol. Pode também ter a ver com o facto de metade dos airballers nunca ter passado por uma experiência prolongada no mato. Isto parece conversa de cota e se calhar é mesmo. Existe um código de comportamento entre paintballers e não tem nada a ver com idiotices militaristas. Tem a ver com educação e sã convivência. Nunca me passaria pela cabeça disparar 2 ou 3 tiros contra a assistência sem máscara, mesmo com rede pelo meio, por muito irritado que estivesse. Isso é falta de formação.

O marcador com o nick mais giro que vos passou pelas mãos ?
"A vaca". Uma pump Trracer da Estratego, malhada como a Mimosa. Nunca conseguiram vender aquilo.

Existe a ideia de a Competição no Mato ser no geral menos exigente que nos Insufláveis. Partilham desta ideia ?
Exigente em termos físico? Mais ou menos. Temos o mesmo tempo de jogo, disparamos a 10 bps, levamos 1 por 1s, gastamos 12 caixas por etapa, jogamos num terreno mais difícil pela irregularidade inerente mas em compensação temos menos carga horária e de equipas. São tipos de jogo diferentes. Eu não tenho visão de jogo para o Airball e estou com 40 anos, um enfarte e 95 quilos, o que não facilita.

Equipas que vocês admirem ?
Os Trolls (os RTUs benfiquistas vão-me matar) porque têm sido uma equipa que tem gerido muito bem a sua existência. Tem elementos quase tão antigos como nós, com uma raiz profunda no mato mas que souberam fazer a passagem para o Airball como ninguém. Os Yashida, do Porto também são um caso curioso. São muito mais recentes mas também são como nós. Têm o mesmo percurso old school. O núcleo duro deles é tão aglutinador como o nosso. São os máiores!

Qual o vosso cenario de eleição ? (Fabrica das Meias Alcabideche, Far West, etc...)
Qualquer coisa nos serve desde que haja comida, cagatório, o campo e o tempo sejam curtos e que não nos obriguem a jogar de Tippmann.

Uma questão que gostassem que vos colocasse, e a respectiva resposta ?
Duas, se for possível.

"O panorama da competição de mato em Portugal não é muito animador. O que sugerem para que os torneios deixem de ter entre 4 a 9 equipas?"
Promoção, promoção, promoção. É preciso voltar aos torneios universitários. Deixou-se de se fazer e não entendo porquê. Existem hoje mais condições do que na altura em que foi feito. Presença das entidades organizadoras de campeonatos nos Big Games que é um local previlegiado para a captação de novos jogadores."

"Qual o formato apropriado para servir de standard no Woodsball?"
Duas bandeiras, 8 minutos, 5 man, 12 bps, regras de Airball, zero tangas. Não há cá hospitais, 3 bases, objectivos parvos e limite de bolas em campo."

Agradecido pelo tempo e paciência, com um grande abraço paintbolistico, André Clemente.
Nós é que agradecemos amigo. Sempre disponíveis pelo Paintball.

3 comentários:

Alex e Angie disse...

Ainda sou do tempo dos NoName, quando começámos a assinar contrato com a Estratego como sendo a única equipa/grupo não airballer a ter contrato de bola. Isso foi indicativo da como este grupo encarava o woodsball de maneira diferente e se calhar foi uma das bases para o sucesso.
Dos NoName saíram as fundações da X-Team (se calhar pouca gente sabe disso) e também alguns membros da base do Bando de Irmãos.

Tive o prazer de ser capitão dos RTU durante 2 épocas, foi uma honra enorme. Como o Tuna disse, saí abandonando o woodsball, nunca iria para outra equipa, tendo sido atraído pelo Airball ao sentir alguma desilusão pelo caminho que o RTeam seguia.

Obrigado André pelo tributo a esta grande equipa.

Rui disse...

Atençao que falta ai alguem na altura da criaçao da equipa ....e tambem estava na escolha do nome da equipa ...e que tambem começou a jogar há muito tempo ...ehehhe , o resto da entrevista achei muito bem ....

The Design Nomad disse...

Quem é que me falhou? São tantos nomes...