abril 15, 2010

E os Arbitros ??

No século XXI são O ponto fulcral de cada torneio de competição!

O torneio pior organizado do planeta, com uma boa arbitragem, será bem criticado.
O torneio melhor organizado do planeta, mal arbitrado, será trashado pela crítica.
E nenhum se realiza sem árbitros...

Felizmente são cada vez mais e melhores as equipas a patrocinar-se realizando trabalhos de arbitragem, o que tem aumentado sobremaneira a credibilidade de vários circuitos.
Parece-me um passo no bom caminho ter um grupo base a arbitrar todo um circuito. Mantêm-se os critérios e as posturas da equipa de arbitragem, evolui a própria equipa de arbitragem e por arrasto evoluem as equipas ao serem melhor arbitradas. Ganha confiança e credibilidade o circuito.

E é precisamente por me parecer um passo no bom caminho que gostaria de ver esta “politica” implementada também no circuito que deve representar a Tinta nacional, o Campeonato Nacional de Paintball.
Não duvido da competência ou empenho de cada uma das equipas que arbitra o Campeonato Nacional mas parece-me que os grandes circuitos devem ter equipas de arbitragem fixas de forma a assegurar ao máximo a coerência desportiva do mais delicado dos trabalhos num dia de Tinta, o de arbitrar!
O grande obstáculo a este passo, para a credibilização das arbitragens também no Nacional, será sempre: que equipas se vão sacrificar para arbitrar TODAS as etapas de um circuito? Nenhumas, claro!

Soluções?...

Divisão Bronze arbitrada pelas equipas Silver em troca de pontos.

Divisão Silver e Gold arbitradas pelas duas equipas de árbitros da Associação.
Compostas por um grupo de 18(?) jogadores que formariam duas equipas com o nome da Associação com tudo pago para irem, pelo menos p.e. ao Millennium de Málaga.
Em Espanha os vencedores do campeonato vão à Alemanha com tudo (ou quase tudo?) pago, disputar um “Masters” com os vencedores de outros países (informei a seu tempo a LPP), nós por cá temos bem mais equipas que os espanhóis portanto provavelmente pode-se pagar Millenniuns a vencedores OU a quem vai ficar uma época inteira a arbitrar o Campeonato Nacional.

Pode-se ainda, como se faz em vários circuitos regionais, pagar directamente (cash vivo) a um grupo disposto a arbitrar para ajuda das suas despesas nesse fim-de-semana, desde que se revejam as regras e passe a ser permitido arbitrar num dia e jogar no outro.

Pode-se...

Soluções impossíveis sem vontade mas são soluções, na minha opinião, para melhor!

André Clemente

3 comentários:

Ossos disse...

Boas!

Faz algum tempo estive a discutir precisamente, o facto que a qualidade das arbitragens hoje em dia serem quase tão importantes como a qualidade da bola com que jogamos.

Surgiu nesse momento uma ideia(não minha) que acho exequivel se a federação assim o entender.


Neste momento a FPP esta a oferecer X por etapa do CN para o organizador e mais Z para a empresa que monta tudo.
Se optasse por fazer 3 etapas nos locais que já estão preparados ou muito perto disso, caso do MegaCampo, Emboscada, Azimut(por exemplo) não ia ser necessario toda a montagem, a LPP so dava o X, o Z ou a maior parte dele ficava em casa.
Somando os Zs que se poupam dava para pagar a uma equipa de arbitros de certeza.
e se ha pessoas que vão lá fora arbitrar para receber, de certeza que tb há quem o faça ca dentro.

abraços
OSSOS

Planeta Redondo disse...

Absolutamente de acordo com a ideia Ossos !

Se vencer a lista “alternativa” julgo que será um dos temas sobre a mesa.

Se vencer a lista (?) actual, mesmo sem grandes contas percebe-se que o valor total das inscrições dá por si só para pagar a duas equipas de árbitros por prova, iniciando-se o processo de profissionalização e credibilização da arbitragem no CN. Mas se a actual direcção em anos nada fez nesse sentido duvido que o vá fazer agora.

Mas deviam, tanto uma como a outra, porque é uma boa ideia!

Abraço

AC

Francisco Silva disse...

Ossos eu também que pode ser uma solução, mas neste momento existem jogadores proibidos de jogar num dos campos que citaste ou têm de pagar um suposto valor... Será que esses jogadores não teriam nesse mesmo dia de prova a proibição na entrada do campo... depois anulava-se a prova e todas as equipas iriam para casa? será que isso aconteceria? ou o dono do campo iria abrir a excepção?

Fazer campeonatos nacionais em campos existentes pode ser benéfico, mas a FPP teria de colocar uma cláusula que não poderia ser proibida a entrada a qualquer equipa ou jogador sua associada.

Abraço